Projetos Sociais

Faculdade de Agudos desenvolve diversos projetos de prestação de serviços à comunidade local e regional e programas de formação continuada para ampliar e sistematizar as iniciativas de caráter cultural e educacional para grupos e segmentos sociais específicos.

Dentre os Projetos Sociais desenvolvidos na FAAG podemos destacar:

Projeto Administrador Jr.

O projeto Administrador Jr. atende jovens em situação de risco social do município de Agudos. São jovens com idade entre 15 e 18 anos pertencentes às famílias de baixa renda. O projeto tem como objetivo principal oferecer uma oportunidade de emprego através da qualificação profissional, o um curso possui duração de 970 horas onde o jovem é preparado para desempenhar funções administrativas.

Projeto Alfabetização e Inclusão

O PAI – Programa da Alfabetização e Inclusão é um projeto da SEE – Secretaria do Estado da Educação do Governo de São Paulo criado em 2003 que, em parceria com o Sindicato das Entidades Mantenedoras de Estabelecimentos de Ensino Superior do Estado de São Paulo (SEMESP), pretende alfabetizar, 700 mil jovens e adultos, em cursos mantidos por instituições de ensino superior em parceria com a Secretaria de Educação. A FAAG é credenciada junto à Secretaria de Educação como instituição parceira para o desenvolvimento do Programa nos municípios de Agudos e região.

No ano de 2007, o SENAR – Serviço Nacional de Aprendizagem Rural, em parceria com a FAAG, passou a oferecer o curso de Alfabetização de Jovens e Adultos visando, além de alfabetizar, possibilitar a leitura, a escrita, a compreensão do texto e do contexto e a realização de operações matemáticas básicas.  O SENAR foi criado em 1991, nos moldes do SENAI e SENAC. É uma Instituição de direito privado, paraestatal, mantida pela classe patronal rural, vinculada à Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil – CNA. O objetivo do SENAR é organizar, administrar e executar, em todo território nacional, a Formação Profissional Rural (FPR) e a Promoção Social (PS) de jovens e adultos, homens e mulheres que exerçam atividades no meio rural.

Projeto Brinquedoteca na FAAG

A Brinquedoteca é um espaço que visa estimular crianças a brincar livremente, possibilitando o acesso a uma grande variedade de brinquedos, pondo em prática sua própria criatividade e aprendendo a valorizar as atividades lúdicas. Além dos brinquedos, a Brinquedoteca deve ser tocada pela expressividade da decoração, porque a alegria, o afeto e a magia devem ser palpáveis. Sendo um ambiente para estimular a criatividade, deve ser preparado de forma criativa, com espaços que incentivem a brincadeira de “faz-de-conta”, a dramatização, a construção, a socialização e a vontade de inventar. É um lugar onde tudo convida a explorar, a sentir, a experimentar.

O projeto da Brinquedoteca desenvolvido na FAAG parte do princípio de que há a necessidade de estabelecer, entre o corpo docente/discente do curso de Pedagogia e a comunidade local, uma relação na qual surjam tanto oportunidades para incentivar o desenvolvimento infantil mais lúdico e adequado para crianças entre 0 e 5 anos, que se encontram em situação de risco ou degradação física ou moral, quanto a oportunidade concreta para que professores e alunos do curso de Pedagogia produzam conhecimento/reflexão sobre o papel e importância do brincar para essa faixa etária. Neste sentido o objetivo da Brinquedoteca da FAAG é atender crianças das creches e Educação Infantil pertencentes à Rede Municipal de Ensino de Agudos/SP, oferecendo-lhes atividades lúdicas de qualidade tanto livres como planejadas, desenvolvidas por alunas do curso de Pedagogia, e fomentar através de um grupo de extensão e pesquisa o aprimoramento acadêmico profissional dos envolvidos no projeto.

Projeto Brinquedoteca no Presídio

O projeto Brinquedoteca no Presídio, tem como objetivo tornar as visitas das crianças que possuem pais presos menos traumáticas, além de proporcionar à elas o aprendizado através da brincadeira. O Projeto nasceu da preocupação do curso de Pedagogia da FAAG em estender seus serviços à comunidade local e regional, oferecendo seus conhecimentos teórico-práticos para a superação de dificuldade específica. Essa dificuldade é em relação às crianças que, por terem seus pais na condição de reeducandos, acompanham suas mães em dia de visita. Entretanto, pela natureza da visita íntima, as crianças ficam expostas a situações adversas, não apropriadas para a infância, muitas vezes na companhia de outros detentos que não receberam visita. Frente a essa situação, uma das alternativas que encontramos foi o desenvolvimento de um espaço adequado às crianças onde, além de esperar, elas pudessem brincar, se divertir, aprender e se expressar minimizando o impacto de estarem dentro de uma penitenciária.

Projeto de Apoio Pedagógico Informatizado (PAPI)

O PAPI é desenvolvido em parceria com a Diretoria de Promoção Social do município de Agudos e com a Rede Pública Municipal de Ensino e atende crianças e adolescentes em situação de risco social. Estas crianças e adolescentes frequentam o Projeto “Crescendo Juntos” desenvolvido pela Diretoria de Promoção Social, em horário oposto ao escolar formal. O objetivo principal do PAPI é oferecer às crianças de 7 a 14 anos de idade apoio pedagógico e educacional utilizando como principal ferramenta a informática. A FAAG recebe estas crianças em seu laboratório de informática diariamente, nos períodos matutino e vespertino. As aulas são ministradas por um professor responsável e por alunos bolsistas dos cursos de administração e pedagogia da FAAG. São oferecidos jogos pedagógicos para que as crianças aprendam matemática, conhecimentos gerais, história e geografia, português, entre outros, brincando. As crianças se sentem motivadas a aprender diante do computador, equipamento este que muitos nunca haviam tido contato. Além do apoio pedagógico informatizado a FAAG oferece duas vezes por semana aulas de dança e de capoeira.

Projeto de Diagnóstico Sócio-Econômico de Agudos

Este projeto tem como objetivo fazer um diagnóstico socioeconômico do município de Agudos, que contenha informações completas sobre Aspectos Demográficos, Caracterização das Famílias, Condições Habitacionais, Situação Educacional, Inserção no Mercado de Trabalho, Renda e Patrimônio Familiar, Acesso à Serviços de Saúde, Portadores de Deficiência, Vítimas de Crime, entre outros, a fim de mapear as deficiências e os pontos fracos do município e desta maneira desenvolver projetos sociais que supram estas deficiências.

Projeto Família de Presidiários

O projeto tem como missão intervir, através de equipe interdisciplinar, em famílias em situação de risco social, visando resgatar a saúde integral, auto-estima e cidadania, tendo como objetivo principal à inclusão social. O projeto Família de Presidiários se divide em duas fases. Na primeira fase será feito um diagnóstico sócio-econômico das famílias de presidiários, englobando 500 famílias da Comarca de Bauru, estimado 2.166 pessoas e na segunda fase do projeto, após identificadas as condições de vida  das famílias, o número de crianças por idade, números de homens e mulheres por idade, renda, escolaridade, serão desenvolvidos subprojetos capazes de criar condições para o desenvolvimento do cidadão, como por exemplo, Formação do Cidadão e Geração de Renda.

O público alvo é composto por 500 famílias em situação de risco social, que possuem filhos, pais, mães, irmãos, esposas, esposos, companheiros presos no presídio da Comarca de Bauru. Estas famílias estão localizadas nos municípios de Bauru, Agudos, Arealva e Piratininga. De acordo com os questionários aplicados, o número de pessoas a serem atendidas é estimado em 2.166, sendo destas 54,3% composto por crianças com até 11 anos de idade, 10,8% de adolescentes entre 12 anos e 16 anos de idade e 36,9% de adultos.

Projeto LIBRAS

O programa tem como objetivo principal oferecer suporte pedagógico a estudantes surdos ou com deficiência auditiva da rede pública do ensino, já que a maioria deles possui dificuldades de aprendizagem, pois as salas de aula das escolas públicas nem sempre estão preparadas para recebê-los. É desenvolvido em parcerias com as Escolas Públicas de Agudos e região, através do trabalho de alunos e professores do curso de Pedagogia.

Projeto Lixo que não é lixo.

Cada habitante de uma cidade é responsável pela produção de aproximadamente 0,6 kg  de lixo por dia apenas em sua residência. Ao lixo domiciliar, se somam ainda os resíduos gerados pelas indústrias, escritórios, lojas, hospitais, escolas e outros tipos de estabelecimentos, além daqueles recolhidos pela varrição das ruas. Como se sabe, os “lixões” são terrenos baldios onde o lixo é simplesmente amontoado sem receber qualquer espécie de tratamento. Trata-se, sem dúvida, da pior forma de destinação do lixo, na medida em que é aquela que traz maiores danos para o meio ambiente. O lixo que é depositado em céu aberto, sem tratamento, incentiva às pessoas a buscarem objetos e até mesmo a sua própria subsistência. Ficando expostos à contaminação, pois os lixões, são áreas de extrema insalubridade. A coleta seletiva pressupõe a separação dos materiais recicláveis-papéis, vidros, plásticos e metais, o que traz benefícios econômicos, ecológicos, sociais, políticos e pedagógicos. Diante desta realidade, junto à prefeitura municipal de Agudos, apresentamos  como proposta o Projeto Lixo que não é lixo, tendo como alvo inicial as escolas, como base futura de formação de consciência. Ressaltamos que o maior beneficiado neste projeto é o meio-ambiente, que reverterá em melhores condições de vida para todos nós. No aspecto humano, estaremos diminuindo o grande exército de reservas à espera uma oportunidade de rendimento, e o projeto certamente será uma fonte de renda. OBJETIVOS: Retirar as pessoas do local de lixões, criando condições para o aumento do orçamento domiciliar através da implantação do projeto de reciclagem de lixo.

Projeto Mãos que Falam

Este projeto atende crianças e adolescentes surdos e com deficiência auditiva de Agudos e região. Tem como objetivo incluí-los na sociedade e dar suporte pedagógico, já que a maioria deles possui dificuldades de aprendizagem, pois as salas de aula das escolas públicas nem sempre estão preparadas para recebê-los. Os encontros acontecem aos sábados e a cada semana as crianças e adolescentes recebem aulas de artes como música, dança, coral, teatro. Enquanto as crianças desenvolvem suas atividades, os familiares recebem aulas de libras, para melhor se comunicarem com as crianças, e desenvolvem artesanato que pode ser comercializado. Durante a semana as crianças recebem apoio pedagógico com programas especialmente desenvolvido para eles na sala de informática da FAAG.

Projeto Orçamento Participativo

Esta pesquisa tem como objetivo fazer uma análise comparativa do nível de satisfação e envolvimento dos moradores de dois bairros periféricos em dois municípios diferentes localizados no estado de São Paulo, sendo que num deles, no município de Lins, a administração pública utiliza o orçamento participativo (OP), como uma ferramenta para a democracia direta, a fim de conceder aos cidadãos maior acesso às informações, envolvendo-os no processo de tomada de decisões; enquanto que o outro, o município de Agudos, não utiliza em sua administração o OP. Os bairros pesquisados possuem características semelhantes como número de moradores, infra-estrutura, renda dos moradores, localização no município, números de escolas e postos de saúde, entre outras. Os municípios foram selecionados levando-se em consideração se a administração pública utiliza ou não o OP. Para realizar a pesquisa foi feita uma ampla revisão bibliográfica sobre o tema, serão aplicados questionários fechados e entrevistas abertas para posterior análise e será feito o acompanhamento das reuniões do OP no município de Lins, bem como o acompanhamento das reuniões da associação de bairros de Agudos. Desta maneira, pretende-se conhecer a realidade de vida dos moradores dos bairros pesquisados identificando a confiabilidade que essa população apresenta em relação a seus governantes.